Aurora da Rua - Só mais um site Sites da ASA

Filme mostra a vida na rua

Diretor gaúcho radicado em São Paulo, Cristiano Burlan renova no docudrama Fome sua parceria com o crítico e professor Jean-Claude Bernardet.  Fome é o terceiro longa que Burlan, autor do premiado e impactante documentário Mataram meu irmão (2013), e Bernardet fazem juntos — pelo menos outros dois estão a caminho.

Bernardet surge em cena como um mendigo que perambula pelas ruas de São Paulo, cidade que Burlan costuma transformar em personagem ressaltando dela a frieza cinza e a imponência que faz de seus habitantes anônimos na multidão. O personagem é um dos entrevistados da estudante vivida por Ana Carolina Marinho, que está realizando um trabalho sobre moradores de rua — entre eles, estão marginalizados reais que, no registro documental do filme, expõem, entre a resignação e a revolta, situações de solidão, abandono e invisibilidade.

Em áreas como o jornalismo e o cinema, são recorrentes trabalhos de campo como esse da jovem aluna, que buscam nessas pessoas que sobrevivem à margem da dignidade, por imposição ou, não raro, opção, ilustrar a brutal desigualdade social do Brasil. A imersão nesse universo rende histórias de elevada dramaticidade, em geral potencializadas por imagens em preto e branco, como as do filme.

Mas a garota questiona com seu professor as implicações éticas dessa aproximação que, afora inspirar a produção de textos emocionantes, não busca maior comprometimento com seus protagonistas. Como Burlan faz com seu filme. Fome, portanto, arrisca um mea culpa sobre a apropriação artística da miséria alheia. Artifício que se mostra uma armadilha por não dialogar de forma efetiva com a proposta narrativa que acaba se impondo.

Isso porque em suas andanças pela cidade, Bernardet vivencia situações que expõem tanto a visão dos outros sobre seu personagem, observado ora com comiseração, ora com repulsa, quanto passam a realçar as características de sua persona real — como na sequência em que esse mendigo é reconhecido na rua por um ex-aluno seu na USP com que travou acalorados debates sobre os rumos do cinema brasileiro e a quem justifica sua opção pelo isolamento social.

A performance do ator em torno de si mesmo parece ser o que mais interessa ao diretor que o reverencia. Esteticamente funciona muito bem, pois Bernardet é um tipo fascinante e de elevada riqueza intelectual. Com essa alternância de foco, a abordagem crítica e sempre pertinente sobre a desigualdade social no Brasil acaba sacrificada, e seus desvalidos representantes deixados pelo caminho. Assista o trailer oficial logo abaixo.

Fonte:http://zh.clicrbs.com.br